“Se não temos, fazemos”

Imagem da notícia: “Se não temos, fazemos”

Segundo António Amaro, a base do sucesso reside na dedicação total à ourivesaria.

Preocupa-lhe a falta de formação dos profissionais do sector, sobretudo o facto de alguns lojistas inaugurarem espaços comerciais sem qualquer conhecimento prévio na matéria. Para o fundador da Amaros Joalheiros, “isto descredibiliza toda a classe de comerciantes de ourivesaria, bem como nos obriga a um esforço suplementar para darmos provas da nossa categoria, conquistarmos compradores e fidelizarmos clientes”.

Juntamente com a esposa Fátima, António Amaro passa agora testemunhos à segunda geração. A filha e o genro trabalham nas três ourivesarias e, a par dos restantes 14 funcionários do grupo, inspiram-se na filosofia da casa.

O completo serviço ao cliente é imperioso, com uma grande variedade de escolha. O lema “se não temos, fazemos” impera como máxima, numa busca constante pela fidelização do cliente e pelo aperfeiçoamento profissional.

24 Fevereiro 2010
Entrevistas

Notícias relacionadas

“A joalharia só pode ser feita com amor”

Quem o diz é José João Vilares, um eterno apaixonado pela ourivesaria e fundador da escola de joalharia contemporânea Engenho & Arte, sediada no Porto. Numa conversa intimista, o responsável revelou-nos que este projeto nasceu do sonho de impulsionar a joalharia contemporânea, preservando sempre as técnicas mais ancestrais desta arte.

Ler mais 7 Outubro 2020
EntrevistasJoalharia e ourivesaria