“A força do Mpf Group reside na aquisição de novas marcas”

Imagem da notícia: “A força do Mpf Group reside na aquisição de novas marcas”

Paolo Calamandrei, CEO do Mpf Group, descreveu-nos em entrevista as marcas que esta empresa representa.

“A força do Mpf Group reside na aquisição de novas marcas, algumas próprias, outras sob licença, com o objetivo de cobrir uma grande fatia do mercado. A Zoppini, em particular, tem tido uma ótima aceitação, pelo ‘design’ das suas joias e pelos materiais – preciosos e não preciosos – combinados de forma inovadora. É uma marca com espírito e personalidade, direcionada às “vítimas da moda” e a todos os que gostam de completar o seu ‘look’ com detalhes que fazem a diferença. Outra das nossas marcas é a Manuel.Zed, que afirma que a criatividade pertence aos humanos que querem jogar com a extravagância em ritmos diários. A Ikonika é uma nova insígnia ‘made in Italy’, com apontamentos frescos e modernos, integrando o nicho de mercado dos bens de luxo. Já a Avatar foi registada pelo Mpf Group em 2008, na categoria dos relógios e das joias. Em 2009, com o lançamento do filme, foi feito um acordo com a Twenty Century Fox, que vai continuar com a segunda parte da saga. Avatar é uma imagem escolhida para representar os usuários virtuais da marca. O Mpf Group ressuscitou ainda a marca “Feeling” (inicialmente considerada o porta-estandarte da empresa), transformando-se hoje numa nova coleção da Zoppini. Esta marca ratificou o primeiro sucesso da empresa que, entretanto, tinha mudado o seu nome para “Mercanzia Preziosa Firenze”, tornando-se mais tarde no Mpf Group. O nome “Feeling” surge do conceito de vínculo entre duas pessoas, associando-se depois o significado aos valores defendidos por quem a criou: liberdade, energia, emoção, amor, imaginação e novas metas.”

Leia a entrevista na íntegra na JoiaPro 60, aqui.

16 Dezembro 2014
Atualidade

Notícias relacionadas

Nova LOPJ – Esclarecimento ao setor da ourivesaria

Com a entrada em vigor na nova Lei Orgânica da Polícia Judiciária (LOPJ) ainda em 2019, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 137/2019, foram levantadas questões de interpretação por parte dos operadores económicos do setor da ourivesaria. A APIO solicitou então em outubro do ano passado esclarecimentos à Direção Nacional da Polícia Judiciária que tiveram agora resposta.

Ler mais 30 Setembro 2020
Atualidade