Reciclar para fazer joias

Imagem da notícia: Reciclar para fazer joias

Uma portuguesa cria joias a partir da reciclagem. Esta ideia surgiu com a preocupação pelo ambiente, mas principalmente para evitar o desemprego. Atualmente, dispõe de um mercado que abrange Portugal de Norte a Sul.

Em 2011, Anabela Marques funda a Idict, empresa que se demarca por utilizar “matérias disponíveis à mão com o objetivo de criar acessórios”. Foi “seguindo o gosto pessoal pela arte”, com materiais reutilizáveis e uma “técnica inovadora” que o negócio nasceu.

As primeiras peças foram vendidas no Mercado de Artesanato Urbano Português, em Barcelona, compostas de “pregadeiras feitas a partir de tampas de embalagens, botões, revistas e outras coisas”.

A empresa não teria existido se Anabela trabalhasse. O negócio é reconhecido, pois tal como Anabela diz, “agrada a gregos e a troianos”.

As joias podem ser adquiridas em Serralves, no Porto, na Anthrop, em Coimbra e no Museu Ncional do Azulejo, em Lisboa. Os preços variam entre 10 e 40 euros, que a eborense considera “bastante acessíveis”.

Para o futuro, Anabela pretende expandir o negócio para o estrangeiro, mas manter-se em galerias de arte e museus.

18 de Janeiro, 2013
Atualidade

Notícias relacionadas

Mesh cria jóias genderless

A nova coleção foi idealizada em colaboração com a Lewis Magazine, numa primeira coleção “sem género”, marcada pela “diversidade, inclusão, minimalismo, elegância e uma nova visão de peças intemporais”.

Ler mais 12 de Agosto, 2022
AtualidadeOurivesaria

Loja virtual ou marketplace? 

A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. (AICEP) mostra os prós e contras destas duas soluções online para o seu negócio em formato virtual.

Ler mais 8 de Agosto, 2022
AtualidadeNotícias