“Queremos que se sintam confortáveis ao adquirirem o nosso produto”

Imagem da notícia: “Queremos que se sintam confortáveis ao adquirirem o nosso produto”

Madalena Bravo, a bisneta do fundador da empresa e atual responsável pela Finogold, conduziu-nos numa breve conversa pela história da empresa revelando que é um “enorme desafio e responsabilidade” continuar o trabalho de preservação do património, da marca e dos valores familiares. Contudo, acredita que com “muita dedicação e gosto pelo que se faz” é possível levar o negócio a bom porto. 

Que valores estão por trás da vossa casa? 

A nossa empresa sempre tentou que os valores da velha guarda se mantivessem: a honestidade, a confiança e o legado. O nosso objetivo é que haja uma continuidade e não uma discrepância daquilo que formou a empresa. Queremos, acima de tudo, que os nossos clientes sintam esses valores e que percebam que temos uma empresa sólida, que tem uma história e que não estamos cá de passagem! Eu digo sempre: não vendo preço, vendo um produto, associado a uma qualidade e associado a uma empresa com valores. Queremos que a pessoa se sinta confortável ao adquirir o nosso produto.  

O que faz o negócio manter-se vivo há tantos anos? 

A honestidade, sem dúvida. O negócio da ourivesaria tem de ter por base valores sérios e acho que sermos honestos é meio caminho para o sucesso! 

A Finogold conta agora com a segunda geração. Como é continuar este trabalho de preservação do património, da marca e dos valores familiares? 

É um enorme desafio. Temos mais cinco lojas, fabrico próprio e é muita responsabilidade. Temos de saber dar um passo de cada vez. O negócio dá muito trabalho e é preciso muita dedicação e gosto para se ir a bom porto. No entanto, conto com uma equipa espetacular, que me apoia imenso e me auxilia em tudo o que é necessário. Além disso, é muito importante contar com a minha mãe, porque o conhecimento que tenho e que adquiri sobre o negócio foi graças a ela.

Entrevista completa na JoiaPro 93.

14 de Novembro, 2023
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Deixo o convite para que se juntem a nós”

João Faria, presidente da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP), faz o convite às pessoas que trabalham no retalho para se juntarem à AORP: "Precisamos de ter mais gente do retalho, que nos dê feedback sobre essa secção e nos possa ajudar a analisar e a compreender melhor as necessidades dessa área", refere.

Ler mais 3 de Maio, 2024
Entrevistas