“Imprimir ideias e sentimentos nas jóias”

Imagem da notícia: “Imprimir  ideias e sentimentos nas jóias”

JóiaPro · Em que se inspirou para desenvolver a sua peça?

Ana Marta Costa · Baseei-me essencialmente na biodiversidade da Amazónia para criar o anel, todo ele fabricado em prata. A peça foi projectada através de uma fotografia com uma vista aérea sobre a floresta e reproduz as copas das árvores. Representa a diversidade de tamanhos, formas, colorações e texturas. Esta criação funciona ainda como uma chamada de atenção para o devastamento da floresta e para o perigo que representa para o nosso planeta.

 

JP: Qual é a sua preocupação na concepção de jóias?

AMC: Preocupo-me, acima de tudo, em criar jóias que consigam imprimir uma ideia ou um sentimento. De facto, o que mais me atrai na joalharia é a forma como podemos materializar as nossas ideias, assim como todo o processo que a envolve, que vai desde a inspiração à passagem da ideia ao papel, até à sua edificação na oficina. O meu trabalho caracteriza-se essencialmente por linhas simples e estilizadas, inspiradas nos objectos do quotidiano e na natureza.

 

JP: Acha que o futuro da ourivesaria e da joalharia passa pela aposta no ‘design’?

AMC: Claramente! Cada vez mais, a exigência dos clientes obriga-nos a criar peças com ‘design’. Quer se trate de peças únicas de autor, quer sejam de produção industrial, o ‘design’ torna-se uma das principais preocupações por parte dos criadores de jóias.

 

Veja a versão integral da entrevista na edição nº35 da JóiaPro

30 Novembro 2010
Entrevistas

Notícias relacionadas

“A joalharia só pode ser feita com amor”

Quem o diz é José João Vilares, um eterno apaixonado pela ourivesaria e fundador da escola de joalharia contemporânea Engenho & Arte, sediada no Porto. Numa conversa intimista, o responsável revelou-nos que este projeto nasceu do sonho de impulsionar a joalharia contemporânea, preservando sempre as técnicas mais ancestrais desta arte.

Ler mais 7 Outubro 2020
EntrevistasJoalharia e ourivesaria